12/01/2017

Um poema

rumino um poema
que se acomete aos meus dentes
que se entremeiam com a língua
que se move e cria o verbo
um poema:
palavra hasteada no peito do poeta
(uma porção de terra lhe convém às mãos,
um bocado de esperança lhe fareja os olhos)
algumas palavras encadeadas
subalternas à gramática dos acontecimentos
faquires sobre a realidade espúria.

um poema que degluto
e não sacia:
gesto em mim um sonho inacabado.



Nenhum comentário:

Postar um comentário