28/04/2015

Poema de chegada

quando chegares
carregando o amor
nas mãos em conchas
e depositares em minha boca
um beijo em segredo
e quando trouxeres teus cabelos
lavados ainda de véspera
e teu corpo - incenso e mirra
(despojos de um sonho)
peço que não te assustes com meu jeito de poeta:
o cigarro entre os dentes
hálito fresco de noites de poesia
o flanco aberto esperando o punhal

quando vieres
encontrarás meu barco
à deriva repousando
a calma das velas
a brisa do tempo
areia dispersa ao sabor do vento
se vasculhares bem
verás que tenho mil poemas a tua espera
mil línguas cantando teu nome
e te recebo
com o peito descalço e afeto no bolso

Nenhum comentário:

Postar um comentário