11/01/2015

Passeio

O trinado das maracanãs na morna tarde
Nuvens tontas esgarçando o céu
Carros brancocinzapretos e as conjuras da pressa
Oitizeiros embaúbas
Poeira & tapume; concreto & lama:

- tudo habita na tua ausência.

Quando vens, no entanto,
Com teu cheiro de manjericão
E tuas mãos apascentando meus cabelos

Quando estás
(quieta, repousam em ti meus sonhos)
E te permites o amor de véspera

O que faz moradia são palavras
Para teu remanso breve
Como um passeio em tua carne

Nenhum comentário:

Postar um comentário