05/01/2015

Confins

Estamos sempre indo
Para onde quer que seja
Como vão os bois no pasto
- A infância, memória que não houve:
muge o dia lento, tempo galvanizado
erigido o céu e
                           [um bando de nuvens que passam ligeiras;
ao longe o voo das rapinas acomodando a vida -
Como vão os cabos de energia
Sempre para algum lugar distante
Vamos nós, vão-se os outros
Vai uma ideia, atravessando nossos confins
Migratória em plano tácito
(O que permanece, deriva:
Ficam as rochas encostas velhas árvores)
- Tudo o que há, e que podemos ser
No mundo de circunstância breve
E espírito torto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário