12/01/2017

Um poema

rumino um poema
que se acomete aos meus dentes
que se entremeiam com a língua
que se move e cria o verbo
um poema:
palavra hasteada no peito do poeta
(uma porção de terra lhe convém às mãos,
um bocado de esperança lhe fareja os olhos)
algumas palavras encadeadas
subalternas à gramática dos acontecimentos
faquires sobre a realidade espúria.

um poema que degluto
e não sacia:
gesto em mim um sonho inacabado.



17/09/2016

Cantiga

Entre entulhos e
Restos de palavras
Uma luz que brilha:
Meu poema só
Minha língua sonha
Mil revoluções

23/04/2016

passagem no tempo VI

o vento macera nossos pensamentos
com suas mãozinhas ocas
etéreas como o sonho que
se dissipa em mim
e a tarde cicia
-entre os dentes sugere o que não se pede;
acalanta o que resiste -
e balança
no morno da tarde
na luz que ocupa:
desloca o breu.

há entre meus dedos
um poema em papel
dobrado
não ouso escrevê-lo:
meu tempo cingido de memórias
apagaria cada verso
com a sombra das circunstâncias.






16/02/2016

Fera

a poesia é como um felino que se chega
e roça em minhas pernas
ronrona - um sonho brando
macia como a esperança a poesia
se envolve por onde tropeço
mas quando tento passar-lhe a mão
esse bicho vira fera
um leão rasgando meus punhos
doloridos punhos de poeta
e ruge versos oblíquos
secos e perdidos dentro do meu cotidiano

então surges, amor, com tua lança e flanco azul
mãos em riste, halo idílico
e já não nos movemos - fera e eu
e já esse animal sossega e vira palavra
pra te adornar
e adormecer.


05/12/2015

Sonho

Uma luz tênue decora a parede
no escuro quarto há apenas
as linhas refletidas da janela
um móvel antigo em que guardo meus pertences
teu corpo e o meu.
Dormimos o sono dos vencidos
e existe em nós a possibilidade de renovação
uns sonhos compartilhados
além de tua respiração, franca como teus olhos
e os meus, guardando teu corpo.
Embora haja noite, temos o dia pela frente
- esse mesmo que surge pela janela riscada pelas grades:
 Um sol rompendo nossos trópicos.
Há em ti, naquilo que não dizes, a mesma beleza 
De um céu que não se anuncia
E ficamos os dois, afinal, nesse lastro
                                                               [de tempo, espaço e amor
Que se nos invade de mansinho, pé ante pé.

16/11/2015

Pequena Ode

Há a verde grama em que pasta a noite
Há os arbustos precedidos pelo orvalho
Há o frescor do tempo
A brisa suave dos teus modos
- Pastoreio teus cabelos
E se perdem meus olhos em tua paisagem
O enlevo das mãos, a delicadeza dos gestos:
Te adornam, singelas, minhas palavras incensadas
E em tua voz de musselina encontro a paz

05/11/2015

Azul

adormeço em teu sonho azul
como um mar que me traga
uma onda que quebra em minha areia
dispersa em diâmetros de minha poesia
superfície em que mergulho
a procura do que me sustenta e equilibra
feito um pássaro em voo tácito
atrás de um repouso cálido de horas
descanso em teu halo 
azul como a certeza de um gesto calmo:
mira-me e acerta
(e teus olhos iluminando minha escura noite
e teus olhos - os meus onde estão? -
morando em meus versos:
casa para te adornar)
desperto em teu cotidiano
azul como as tardes depostas pelo
horizonte das vontades

lá, onde não se anunciam as coisas que já sentimos.

31/10/2015

Em meu poema

dou voz no meu poema
à pele que sussurra teu toque
aos ossos que sustentam meu corpo
em seu lugar de fala
aos pelos eriçados
que espreitam o desejo
em meu poema há teu verbo
e antes o que calas
há teu passo célere
os meus te acompanhando
e para onde vamos
pergunto em meu poema
mas não, não respondas
apenas habite em meus versos
na métrica que não tenho
no papel tantas vezes rabiscado
(em que surgem tuas consoantes
teu nome se formando como um rio
caudaloso & claro)
surja nas entrelinhas
- espaço interdito em que
te beijo
e te abasteças do que não te digo;
escrevo.

29/10/2015

Impressionista

em teu quente colo repouso
confundem-se em minha boca
palavras que não criei
para denominar-te, mulher:
és por si só a força de mil sonhos
e todos eles me segredam teu nome
marulham meus dedos
formando versos,
um poema que te espreita:

nele caberá teu corpo
ilha em que me perco e me construo
(teu corpo: matéria singela
derivando no espaço de minha memória)
e também aquilo que de ti exala
tua voz recendendo
sons que me acalantam
tua parcimônia e teu desejo

o amor, em sua fronteira movediça
nos sugere uma bandeira
que flamula
como o tempo de um encontro
e o toque da saudade.


09/09/2015

Nocturno n. 6

o ladrar dos cães fere a noite
há um mormaço inerte que adormece
sobre todos, sobretudo na cidade
cujas vias públicas mal iluminadas
referendam o triste tempo em que vivemos:
ecoa minha voz pelos vãos das esquinas
- um sonho em que grito nomes proibidos
e teu corpo ali na sombra quente
suado & sacro
feito um arquipélago preservado
em meio à deriva de existências

enquanto durmo
recito poemas em línguas mortas
sou um sonâmbulo semeando
versos que ouvi e decorei
sobre o que eras escuras eras em que
estive distante
cosendo tua lembrança
singrando perdido
pelas tontas vias do
que não vi